top of page

VII - O Inferno - A Eternidade das Penas



1 – É palavra de Deus


Por quanto tempo estarão os condenados nesses tormentos? Cem anos, mil anos? Anos?! Séculos então?! Mas que séculos! Então até quando? Para sempre! À porta do inferno está escrito: “Deixai toda esperança, ó vós que entrais!”.


Essa é a prisão onde há o sempiterno horror (Jó 10,22). Jesus Cristo diz dos réprobos: “Eles irão para o suplício eterno” (Mt 25,46). De lá então não sairão nunca (Mc 9,45). Durarão sempre as terríveis penas da condenação.


Diz o profeta Malaquias: “Os condenados serão por toda a eternidade” (Mal 1,4). Gostariam os condenados de ser aniquilados, e invocarão a segunda morte; a morte fugirá deles para sempre (Apc 9,6).


2 – Como conceber a ideia disso?


A eternidade! Como apavora esta palavra! E quem pode fazer uma ideia dela? Quando tiverem passado tantos milhões de anos e de séculos quantas são as estrelas do céu, as areias do mar e as gotas d’água do oceano, começarão os tormentos do inferno.


Imaginai um punhado de areia finíssima; contai em seguida todos os grãozinhos. É uma tarefa de fazer ficar louco! E se dessa areia fina se enchesse esta Igreja? E o mundo todo...? Quem pode contar os milhões de grãozinhos? Agora suponde que um pássaro tire um grãozinho cada século... Pois bem, chegará o dia em que o pássaro terá levado a todos, e o inferno estará no começo! Essa ideia fazia tremer o rei Davi que dizia: “Tenho sempre em mente os dias antigos e os anos eternos: Cogitavi dies antiquos et anos aeternos in mente habui” (Sl 76,6).


3 – As coisas que duram muito, cansam


Embora agradáveis, tornam-se tormentos. Se uma música durasse demais, não se quereria mais ouvi-la. E as penas que durarão eternamente?


Estirado numa cama – Um rapazola de má vida estirava-se moribundo numa cama e dizia para si: “Está-se tão bem aqui!”. Mas depois pensou: “Se eu devesse ficar imóvel aqui uma semana? Um mês? E se essa cama fosse dura? De lâminas cortantes? De fogo? E no inferno? Por uma eternidade???”


Ante esse pensamento (que era uma graça do Senhor) ele ficou aterrorizado; mandou chamar o sacerdote, e, após uma boa confissão, converteu-se.


“Sempre! Jamais!” – O Ven. João d’Ávila (+1569), desejando converter uma pecadora escandalosa, disse-lhe:


- Ide para casa, trancai-vos num quarto, e ali pensai no inferno, repetindo estas palavras: “Sempre! Jamais!”, porém pensai seriamente.


A mulher fez como disse o santo homem e mudou de vida.


Conclusão


Ah! Que coisa terrível será danar-se, e cair nas mãos do Deus vivo! Vede, no entanto, quantos nem pensam nisso, e correm disparados e rindo para o inferno! Di-lo Jesus Cristo: “Larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são aqueles que ali entram (Mt 7,13). Quantos pecadores estão à beira desse abismo!


Se vísseis um rapaz, colega vosso, com o corpo todo de fora a pender da abóbada desta igreja e a manter-se segurando com uma das mãos numa cordinha, que diríeis em vosso coração? “Ai de mim! Agora cai!”. E por ele bater-vos-ia o coração, enquanto alguém com a escada não o pusesse a salvo. Pois bem, o pecador está com o corpo e com a alma suspenso sobre o inferno, e se mantém numa teia de aranha. Sim, é de se dizer dele com pavor: “Agora cai!”.


Dizia São João Crisóstomo a uns pecadores: “Se eu soubesse que um de vós está para jogar um cãozinho no fogo de uma pavorosa fornalha, interpor-me-ia para o dissuadir da cruel ideia. Ora, ao ver aqui alguns que, cheios de pecados, se jogam a si próprios no inferno... para trás, por caridade! Ouvi o que diz o Senhor: “Qual de vós poderá morar naquele fogo devorador?” (Is 33,14).


Pensai nisso, afinal, e resolvei.


Ó Jesus, Divino Redentor, que desejais salvos a todos nós, nós vos pedimos perdão dos nossos pecados com os quais merecemos o inferno.


Diremos também nós com Santo Agostinho: “Castigai-nos neste mundo com aflições; mas não nos mandeis para o inferno!”.


Querido Jesus, nós queremos servir-vos fielmente, para ao contrário termos o Paraíso que esperamos de vossa bondade infinita.


(Extraído do livro A Palavra de Deus em Exemplos, G. Montarino,

Do original La Parole di Dio per la Via d’Esempi)

Posts récents

Voir tout

L’invisible et silencieuse persécution

Par Son Excellence Mgr Thomas d'Aquin O.S.B. 9 mars 2024 + PAX L’invisible et silencieuse persécution Corção, dans son livre Le Siècle de l’enfer (page 402), dans le chapitre intitulé « Le désastre fr

MONSEIGNEUR DE CASTRO MAYER

Par Son Excellence Mgr Thomas d’Aquin O.S.B. Que dirait Mgr de Castro Mayer de la situation actuelle de la Tradition ? Que dirait-il des velléités ou volontés d’accord qu’on a vues pendant les années

Comments


*Les articles publiés par des tiers ne reflètent pas nécessairement l'opinion du Monastère de Santa Cruz et leur publication a uniquement un but informatif.

La reproduction totale ou partielle des textes, photos, illustrations ou tout autre contenu de ce site par quelque procédé que ce soit est interdite sans l'autorisation préalable de son auteur/créateur ou administrateur, conformément à la LOI n° 9 610 du 19 février 1998.

bottom of page